Arte em Penhasco da Amazônia mostra humanos encontrando criaturas gigantes da Idade do Gelo

  • 8 meses ago
  • 233 Views
  • 0 0

Esta enorme coleção de arte rupestre pinta um quadro dramático dos primeiros humanos e bestas gigantes na Amazônia. Os primeiros habitantes adoravam e caçavam mastodontes semelhantes a elefantes e cavalos gigantes – ao lado de outros animais da Idade do Gelo – na época em que a exuberante floresta tropical era uma savana ressecada.

Pelo menos é o que diz as pinturas extraordinárias feitas com ocre vermelho por artistas há muito falecidos.

Acredita-se que elas tenham entre 11.800 e 12.600 anos e levaram pelo menos centenas de anos para serem criados. Os especialistas estão surpresos com a escala da descoberta, uma das maiores do tipo na América do Sul.


Crédito: Marie-Claire Thomas


Localizada na região da Serranía La Lindosa, na Colômbia, a descoberta foi apelidada de “Capela Sistina dos Antigos”. No entanto, em vez de uma bela estrutura feita pelo homem, esta tela é toda obra da Mãe Natureza.

O número de pinturas na face do penhasco chega a dezenas de milhares e foram vistas em um trio de abrigos de pedra. Cerro Azul é o maior, estendendo-se por quase 3 milhas. Há cerca de 13 quilômetros de obras de arte histórica no total. A qualidade é considerada altamente realista para a época.

As figuras humanas são retratadas com criaturas colossais. Quão grandes eram eles? Mark Robinson, falando por meio de um comunicado da Universidade de Exeter, refere-se a “herbívoros gigantes, alguns do tamanho de um carro pequeno“.

Esta “megafauna” deu a Robinson e companhia uma visão possível da antiga exposição artística. Exemplos de vida selvagem extinta, como preguiças gigantes e mastodontes, forneceram pistas importantes sobre datas. Como escreve o Business Insider, “por volta de 11.600 aC, os humanos provavelmente mataram muitos mastodontes”.

Outras características pintadas incluem árvores, impressões de mão e “formas geométricas”. Uma árvore não era apenas uma árvore para a humanidade nos últimos anos desta Idade do Gelo.

Citado pelo The Guardian, o líder da equipe, Prof José Iriarte (Universidade de Exeter), diz que as plantas tinham alma e que se comunicavam com as pessoas “de forma cooperativa ou hostil”.

O grupo, financiado pelo ERC (Conselho Europeu de Pesquisa) e formado por especialistas da Grã-Bretanha / Colômbia, também observou o entorno.

Ao que parece, os artistas almoçavam e deixavam lixo no local. Iguarias como sapo, tatu e piranha foram consumidas, segundo nota da universidade.


Crédito da arte do penhasco: Marie-Claire Thomas

Parece que os pintores precisavam de força. Algumas obras de arte são tão elevadas que é preciso drones para dar uma olhada.

Todo aquele trabalho valeu a pena no final. Citado pela declaração, o Prof Iriarte diz que a arte era “uma parte poderosa da cultura e uma forma de as pessoas se conectarem socialmente”.

A equipe começou a investigar a área em 2017. Não foi uma tarefa fácil. Para começar, a jornada foi punitiva. Depois de completar uma viagem de 2 horas da cidade de San José del Guaviare, eles tinham uma jornada de 4 horas pela frente. E o acesso só foi permitido após a assinatura de um tratado de paz em 2016 entre o governo colombiano e as FARC (Grupo Narco Terrorista). Uma guerra que durou meio século.
Mesmo assim, permissões adicionais tiveram que ser buscadas para evitar o perigo.

Embora as pinturas do penhasco fossem conhecidas desde abril deste ano, a descoberta foi mantida ocultas até agora. Uma equipe de TV do Canal 4 juntou-se ao grupo durante todo o processo. Detalhes emocionantes estão prestes a ser revelados ao público como parte de uma nova série, ‘Jungle Mystery: Lost Kingdoms of the Amazon’.

Apresentado pela arqueóloga Ella Al-Shamahi, era realmente uma questão de vida ou morte. Conforme relatado pelo The Guardian, em um ponto o grupo teve que se esgueirar de uma cobra bushmaster altamente venenosa.

A antiga arte do penhasco fornece uma janela necessária para uma época misteriosa da Amazônia. Este ambiente rico e diversificado mudou muito ao longo dos séculos. O papel que os humanos desempenharam na mudança poderá ser examinado como nunca antes, graças a esses visuais impressionantes e perfeitamente preservados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *