Anel antigo encontrado em Israel pode ter pertencido à Pôncio Pilatos

  • 9 meses ago
  • 706 Views
  • 0 0

Embora ele tenha desempenhado um papel crítico na morte de Jesus Cristo, Pôncio Pilatos é uma figura bastante sombria. A recente identificação de um anel que o governador romano usava o torna mais nítido.

Especialistas em Israel identificaram um anel que pode ter pertencido a Pilatos, já leva seu nome, o homem que supervisionou o julgamento e a crucificação de Jesus Cristo.

De acordo com o o site Mozenga.com, o anel de bronze foi descoberto há 50 anos durante escavações na fortaleza de Herodion, no deserto da Judéia.

Vista aérea da acrópole de Herodium.

“O anel foi encontrado durante uma escavação liderada pelo professor Gideon Forster, da Universidade Hebraica de Jerusalém, pouco tempo depois da Guerra dos Seis Dias, em 1968-69, como parte dos preparativos para abrir o local para os visitantes”, relatou o Haaretz.

Mas recentemente essas descobertas foram entregues a uma equipe que trabalha no local, liderada pelo Dr. Roee Porath, também da Universidade Hebraica.

O anel foi um dos milhares de itens encontrados. O famoso nome foi descoberto após uma limpeza completa, quando foi fotografado por uma câmera especial nos laboratórios da Autoridade de Antiguidades de Israel.

Anel de Pôncio Pilatos (desenho: J. Rodman; foto: C. Amit, Departamento de Fotografia IAA)

A inscrição no que aparentemente era um anel de estampagem incluía uma foto de uma embarcação de vinho cercada por letras gregas traduzidas como “Pilatus”. Os arqueólogos dizem que ele é apenas o segundo artefato de sua época já encontrado com seu nome.

Pôncio Pilatos, quinto prefeito da província romana da Judéia de aproximadamente 26-36 dC, é conhecido desde o Novo Testamento, no qual ele é o homem responsável por julgar definitivamente Jesus.

“Os Evangelhos apresentam Pilatos como um personagem quase simpático que apenas relutantemente concordou em condenar Jesus à morte, mas outras fontes históricas sugerem que ele era um militar endurecido, não disposto a demonstrar muita sensibilidade para com as sensibilidades religiosas dos judeus”, escreveu o Daily Beast. .

Ecce Homo (“Eis o Homem”), a representação de Pilatos por Antonio Ciseri apresentando um Jesus flagelado ao povo de Jerusalém.

 

“Pilatos teria insultado o povo judeu diversas vezes: em determinado momento, o imperador Tibério teve que repreender Pilatos por colocar escudos revestidos de ouro em exposição no palácio de Herodes”, segundo o Daily Beast.

Há alguma discordância sobre se o anel pertencia a Pilatos.

Prutah de bronze cunhada por Pôncio Pilatos.

Alguns acham improvável que o anel fosse seu, já que esses tipos de anéis simples geralmente pertenciam a soldados e oficiais de menor escalão, não a alguém tão rico e poderoso quanto um prefeito.

“Nós achamos implausível que um prefeito tenha usado um anel de vedação pessoal simples, todo em metal, de liga de cobre com um motivo que já era um motivo judaico bem conhecido na Judéia antes e durante o seu governo”, diz um relatório no Jornal de Exploração de Israel.

“Mas, na prática, temos um anel inscrito com o nome Pilatos e a conexão pessoal apenas clama”, disse Roi Porat, um dos autores do relatório, ao The Times of Israel. O nome Pilatos não era comum na época.

Escavações de Herodion. Foto por Idobi CC BY-SA 3.0

Herodium, perto de Belém, onde o anel foi encontrado, foi construído por Herodes, o Grande, um rei dentro do Império Romano, e é o local de seu túmulo. (Um de seus filhos, também chamado Herodes, foi rei no tempo de Jesus.) O local é controlado por Israel e é reivindicado pelos palestinos, diz o New York Times.

O anel foi encontrado em uma sala cheia de pedaços de vidro, cacos de cerâmica, pontas de flechas, moedas e outros itens.

Outro ponto de interesse é o uso do nome de Pilatos.

A Arqueologia Bíblica diz: “Enquanto Pilatos cunhava várias moedas em grego, ele nunca colocava seu nome em suas moedas, optando novamente por honrar seu benfeitor, Tibério, com a inscrição grega Tibepioy Kaicapoc (Tiberiou Kaisaros;‘ de Tibério César ’)”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *